Vamos falar sério e francamente?

A depressão é uma doença egoísta.

Indo além, é uma doença que nos torna egoístas.

Ficamos fixados em nosso próprio umbigo, com nosso mundo, com nossos problemas, isolados em nossa tristeza e, muitas vezes, culpando aos outros pelas nossas dificuldades e nossa doença.

Acha que eu estou sendo duro? Pois é, às vezes precisa.

Quantas vezes, na sala do psicólogo ou psiquiatra, buscando as razões para termos chego ao fundo do poço, acabamos descobrindo termos feito uma série de escolhas erradas as quais nos trouxeram inexoravelmente ao momento e situação atuais?

Se você já fez análise e terapia seriamente, e por um tempo minimamente adequado, você já teve essa epifania.

E nesse momento, nem sempre melhoramos. Pelo contrário, afundamos mais um pouquinho.

E tudo bem. É parte do processo de cura reconhecer nossos erros e buscar corrigi-los. Ou perceber atitudes tóxicas em nós mesmos e buscar corrigir esse comportamento.

Ao atingir esse momento, devemos tomar uma atitude muito difícil, mas ao mesmo tempo simples: Levantar a cabeça a e olhar em volta.

Sabe o que você vai encontrar?

Pessoas que te amam e se importam com você sofrendo por sua causa. Preocupadas que a qualquer momento você possa a vir fazer algo extremo. Ou simplesmente preocupadas com você a ponto delas mesmas estarem mergulhadas em uma tristeza infinita.

Olhe para essas pessoas e tire daí a força para buscar ajuda e continuar se tratando. Continuar se esforçando para sair do buraco.

Se não consegue por você, faça por elas.